HISTÓRICO DA ONG

“Não sabendo que era impossível ele foi lá e fez” (Lao Tsé)

 

Um desafio acadêmico que deu origem a maior instituição de apoio ao portador de deficiência através do esporte na região Norte/Noroeste Fluminense. Assim pode ser definida a história da ONG Esporte Sem Fronteiras, diretamente ligada a força de vontade e determinação do professor Maurício Lemos.

 

Ao ser convidado em 1998 para assumir a cadeira de Ginástica Especial na Universo, em Campos, Maurício deu início a uma nova etapa de sua vida, voltada para o “Movimento Paraolímpico”. Após três anos de buscas e estudos sobre o segmento Maurício em 3 de dezembro de 2001 fundou a ONG Esporte Sem Fronteiras e convidou seu aluno e hoje grande amigo, William Rocha para ser seu companheiro de luta e ocupar o cargo de 1º Tesoureiro.

 

Em novembro de 2002 Mauricio junto a antigos membros da Associação Norte Fluminense dos Deficientes Físicos (Anfludef) começam a equipe de Basquetebol em cadeira de rodas da ONG Esporte Sem Fronteiras.

 

Poucos recursos e muita força de vontade e superação, característica do segmento paraolímpico, marcaram o início das atividades na entidade, que teve no basquete em cadeira de rodas e no futebol de 5 suas primeiras modalidades.

 

Não demorou muito para que o reconhecimento da sociedade aparecesse e servisse como estímulo para a ONG alçar vôos ainda maiores, como o lançamento do projeto “Praticamos Esporte, Construímos Cidadania” que oferece aos portadores de deficiência de Campos dignidade e qualidade de vida. A essa altura novas modalidades como natação, judô, atletismo, dança, capoeira, atletismo, recreação e futebol já faziam parte do cronograma da entidade. Modalidades que têm papel fundamental na ressocialização de cerca de 1.000 portadores de deficiência divididos em sete núcleos de atuação espalhados por toda Campos.

 

Promover a inclusão social unicamente através do esporte não satisfazia os responsáveis pela instituição que tinham uma nova meta: a capacitação profissional. Colocar o deficiente no mercado de trabalho, demonstrar capacidade e torna-lo auto-sustentável era o desafio. Desafio lançado, meta alcançada graças ao apoio de parceiros tanto do setor público como privado.

 

Hoje a Esporte Sem Fronteiras é reconhecida nacionalmente e internacionalmente  não apenas por possuir a melhor equipe de basquete em cadeira de rodas da região Sudeste e a quinta melhor do Brasil, mas, principalmente, por se tratar de uma instituição séria, com credibilidade e que luta pela valorização do portador de deficiência.